Wanderlust Navegar é preciso – Crítica da série Lançamento Netflix

Por favorAcessarouRegistrarvocê pode gostar também
News

Wanderlust desejo intrínseco e profundo de viajar.

 

Pra quem   não sabe esta palavra Wandelust é formada junção de outras duas outras palavras alemãs. Wander, que encontra origem no verbo wanderne corresponde à prática da caminhada ou trilha. E lust, que quer dizer luxúria, ou mais que um desejo, uma vontade profunda.

Terminei ontem de assitir  e vou passar pra vocês as minhas impressões claro sem spoiler .

Wanderlust é uma série dramática da televisão britânica , ambientada em Manchester, escrita por Nick Pane e dirigida por  Luke Snellin.

A série é uma co-produção entre BBC One  e Netflix  que estreou agora dia 19 no catalogo da Netflix. 

Vamos conhecer o casal  Joy, interpretado pela Toni Collette e Alan interpretado por  Steven Mackintosh,  ele é conhecido  papel como Andreas Tanis nos filmes de terror e ação da franquia Underword   e  Toni Collette, é uma atriz australiana que Foi indicada ao Oscar de melhor atriz coadjuvante por O Sexto Sentido e vencedora do Emmy  do Golden Globeseu desempenho na série United States of Tara.

Esse casal que é o centro dessa trama, eles sao casados ha mais de 20 anos tem 3 filhos, ela é terapeuta e ele professor. E eles estão em um momento de dificuldade para fazer sexo, não rola aquele tesão. E eles decidem juntos abrir a relação e comunicam para os filhos.

Wandelust é  incrível por vários motivos , primeiro a narrativa, a forma com que é contada a serie é bem dinâmica, e os fatos em si ,  não giram só em torno do casal , conhecemos também outras sub-historias ,  por exemplo, histórias dos  clientes da Joy  as historias dos filhos do casal, tudo com o envolvimento de realização pessoal e sexual.

Então todo esse conteúdo em Wandelust acontece de maneira muito rápida  , são apenas 6 episódios ,e se   perder algo, já não consegue   acompanhar a historia.

Wanderust Aborda também  preconceitos, quando agente não segue o que eh imposto como padrão pela sociedade.

Eu amei o desenvolvimento dos protagonistas e como eles mudaram ao longo da trama, por exemplo o Alan é um cara mais tranquilo, é louco pela esposa, sabe aquele jeito meio inseguro? Você também vai perceber essa insegurança no próprio filho.

Então o Alan é meio que induzido no principio da situação, é crescente a forma com  que ele muda , e ela que é um mulherão,  uma terapeuta , que encontra uma questão,  o sexo do casal não está acontecendo e ela coloca opções para apimentar a relação, é uma mulher de atitude, segura de si, sem medo de perder.

E conseguimos enxergar na Joy a firmeza transmitida por muitos, porém temos muita fragilidade escondida dentro de nós, posso dizer que os dois evoluem de maneiras opostas.

Sera que somos capazes  apagar desejos por medo de viver uma nova vida, será que é possível dividir sexo de sentimento e por fim uma pergunta pra você pensar. Se vc tivesse nessa situação você ficaria em um casamento monótono, se separaria, ou deixaria alguém mexer nas suas gavetas?

 

Deixe seus comentários, obrigada

Autora Tati Aramenn

Reactions

0
4
1
1
0
0
Você já tem uma conta?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *